16 de setembro de 2018

Finitos e infinitos

Somos cíclicos e finitos. Iniciamos e terminamos tudo na nossa vida. Início, meio e fim são itens comuns para o nosso dia a dia. Seja no que nos é pessoal, no trabalho, até o amor que, muitas vezes, é infinito enquanto dure. Claro que com licença às crenças espirituais de vida pós-morte, estamos falando de algo mais pragmático. Talvez projetos, projeções, apostas, desejos, relações e podemos incluir o que é físico. Somos cercados pela finitude do todo. Nosso corpo e a nossa mente estão acostumados a finalizar tarefas, desejar pelo fim, buscar a conclusão.

E esse pensamento pode nos levar às questões das redes sociais atualmente. São praticamente infinitas com atualizações e mais atualizações, mesmo que esse ou aquele assunto volte à toa, elas continuam a atualizar e trazer mais informações, atualizar e mais informações, atualizar, atualizar, atualizar. Muitas e mais vezes. Infinitamente.

Passamos os dedos de baixo para cima nos nossos smartphones numa busca pelo o que está por vir. Qual a próxima novidade? Qual a próxima foto, seja lá de quem ou do que for. Qual a próxima, a próxima, a próxima? 

Essa sensação de infinito contrasta exatamente com a nossa essência finita. E aí, algumas vezes, tudo isso nos funde a mente, nos deixa exaustos, nos deixa ansiosos e conectados com um formato que não nos individualiza. Mas não nos deixa com a impressão de estar ao relento e, sim, imersos ao todo. E aí muitas vezes sentimos diversos ir e vir de sensações: acelerar, anestesiar, prender, desfocar, despertar, impulsionar, subir novas montanhas. 

Tudo isso pode estar ligado a uma ansiedade sem controle. E aí isso pode, de verdade, nos afetar e nos fazer mal. O quanto só cada um de nós pode saber e sentir. Vai depender do que temos de limite, do quanto o ilimitado nos afeta, do quanto conseguimos medir e compreender o que não tem fim. 

E quem já se sentiu assim?




21 comentários:

  1. realmente se nos perdermos na rede vamos nos perder de nós mesmos. eu tento reduzir quando dá. mas o trabalho é meio misturado com a rede. beijos, pedrita

    ResponderExcluir
  2. Bom dia:- Hoje, as redes sociais, são um fenómeno imparável.
    .
    * De mãos dadas ... Seguimos unidos *
    .
    Feliz início de semana

    ResponderExcluir
  3. Se não "conseguimos medir e compreender o que não tem fim", o melhor é levar a vida com leveza sem pensar muito nisso…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Olá Lu tudo bem???


    É difícil diminuir, mas as vezes é preciso viver o real e deixar o virtual pra mais tarde...


    Beijinhos;
    Débora.
    https://derbymotta.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. É a vida no seu vai-vem apressado e à beira de um simples clique. No entanto,há que saber gerir o real e o virtual também.
    Bjn
    Márcia

    ResponderExcluir
  6. Eu consegui me desapegar do celular durante o dia, mas a noite é inevitável por conta do blog.
    Big beijos
    www.luluonthesky.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Lu
    Não tenho apego pelo celular e loucura que deixa as pessoas grudadas nele o tempo inteiro passa pela obsessão e torna-se doença; Consigo gerir o virtual e o real. Há tanta vida fora do virtual não é?
    Em tudo e para tudo há que se impor limites
    Beijinhos e muitos sorrisos

    ResponderExcluir
  8. Adorei o texto, essas redes sociais são mesmo infinitas, o dia inteiro cheia de atualizações e coisas novas pra ver, a gente se perde mesmo, temos que ir tomando cuidado pra não ficar preso nesse ciclo infinito.
    Beijooos
    Yanna Karim

    ResponderExcluir
  9. É muita atualização para pouco tempo diário e causa muita ansiedade.Bia semana.Bjs.

    ResponderExcluir
  10. Belíssima e sensível reflexão flor artista Lu.
    A vida é mesmo uma grande onda...com seus movimentos diferenciados...sempre!
    Abraços carinhosos meus.

    ResponderExcluir
  11. Lu, adorei o nome do seu blog, assim como ter cruzado com ele.
    A ansiedade, realmente, está deixando a vida com muito menos leveza. E os smartphones são, sem dúvida, os grandes responsáveis. É preciso exercitar muito o auto-controle, para fugir da dependência.

    ResponderExcluir
  12. Oi, Lu!

    Que grande reflexão!
    A vida é como o mar, ora vem a maré cheia, ora a maré vazia. Minha vida tem sido equilibrada, mesmo assim.

    Beijinhos e bfds.

    ResponderExcluir
  13. que boa reflexão!
    https://retromaggie.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  14. Que reflexão interessante, e como percebo essa ansiedade!

    ResponderExcluir
  15. Ola Lu,
    Sim ja me senti assim. São informações em cima
    de informações e se a gente não desapegar a vida
    fica engessada dentro de um celular.
    Muito boa a reflexão.
    Bom domingo
    beijos

    ResponderExcluir
  16. cara, SIM! é exatamente isso. várias vezes já me peguei deitando super cedo, aí parava pra dar uma olhadinha no celular, o feed infinito me prendia e pá: quando eu via já era super tarde e não adiantou de nada ter deitado super cedo, e isso acaba me prejudicando no dia seguinte. sem contar a ansiedade, né? parei de usar o twitter por isso e tô me policiando com as outras redes. é foda. gostei muito da reflexão!

    um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
  17. Eu já enjoei de rede social. Tanto que só mantenho ainda, devido ao blog. xD

    Beijo!
    Cores do Vício

    ResponderExcluir
  18. Uma reflexão muito interessante e bem real.
    Bjn
    Márcia

    ResponderExcluir
  19. Verdade. Quantas vezes busco o silêncio e a solidão na Natureza, qual fonte que refresca os sentidos e acalma a mente.

    Beijinhos.

    ResponderExcluir

Outra metade

As pessoas não vão pensar como a gente sempre. Não terão os mesmos desejos. Não vão escolher os mesmos caminhos. Seguirão na direção contrá...